IVAR – O NOVO ÍNDICE DE REAJUSTE DOS CONTRATOS LOCATÍCIOS

Atualizado: 15 de fev.



A lei do inquilinato não estabelece um índice para ser usado, deixando livre para a escolha das partes e desde meados de 1980 o IGP-M é utilizado como índice de reajuste dos contratos de aluguel como forma de proteção da hiperinflação que era vivida pelo país.


Acontece que o mercado imobiliário sente falta de um indicador mais eficiente, isso porque o IGP-M é voltado para o setor produtivo e sua composição leva em conta o Índice de preços no Atacado – IPA, Índice de Preços ao Consumidor – IPC e o Índice Nacional do Custo de Construção – INCC na proporção do gráfico abaixo:



Em 2020 o IGP-M descolou dos demais índices e fechou o ano acumulado em 17,4%, o que assustou muitos inquilinos e locatários, fazendo com que os contratos passassem a adotar outros índices como o IPCA ou o INPC.


A Fundação Getúlio Vargas lançou no início de janeiro deste ano o IVAR – Índice de Variação dos Aluguéis Residenciais, trata-se um novo índice que é baseado em aproximadamente 10.000 contratos de locação firmados em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.


O objetivo é medir de forma mais realista o preço dos alugueis, preenchendo uma lacuna nas estatísticas nacionais. Além disso, um índice próprio vai permitir uma mensuração mais precisa da variação dos aluguéis. Caso haja uma boa aceitação do mercado, o IVAR poderá em algum momento substituir o IGP-M quando se fala em índice de reajuste de aluguéis.


Se você é inquilino ou locatário e tem interesse em mais informações a respeito desse novo índice ou ainda deseja ajustar seu contrato de aluguel para substituir o índice de reajuste pelo IVAR, entre em contato conosco.





12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo