LGPD NA PRÁTICA: 3 dicas para adequar a sua empresa.

A Lei Geral de Proteção de Dados tem como objetivo principal proteger os dados pessoais dos indivíduos, desde o momento em que ocorre a sua coleta, até o momento de sua eliminação. Essa proteção ocorre mediante regras específicas, delimitadas em cada etapa de tratamento dos dados de alguém.

Embora seja lei, muitas empresas ainda não se adequaram a esta nova realidade, seja por falta de conhecimento, seja por acharem que não se enquadram no rol de pessoas que precisam se adequar à LGPD, ou por qualquer outro motivo.

Todavia, a não adequação à LGPD pode acarretar penalidades severas às empresas que descumprirem seus preceitos, desde multas pesadas até proibição das atividades que envolvam o tratamento de dados na respectiva empresa.


Sendo assim, apresentaremos 3 dicas rápidas para você saber como se adequar à LGPD.


1 – Conheça e mapeie o ciclo de vida de dados da sua empresa.

Para que você esteja em conformidade da Lei e evite ter a surpresa de ser penalizado por não estar adequado à LGPD, é essencial que você tenha conhecimento de como vem acontecendo o ciclo de vida dos dados na sua empresa. Para isso, você precisa saber responder questões como:

· Os dados são compartilhados?

· Com quem os dados são compartilhados?

· Qual o tipo de eliminação desses dados?

· De que forma os dados são coletados?

· Os dados são compartilhados com terceiros?

· Quem pode ter acesso e manipular os dados coletados?

Existem muitas outras perguntas a se fazer, as questões acima já lhe darão um norte de como mapear o ciclo de vida da sua empresa, visando a adequação da sua empresa à lei.


2 – Tenha consentimento do titular dos dados para realizar o tratamento de suas informações.

A permissão/consentimento expressa e clara do titular é vital para que ocorra o tratamento de seus dados, devendo ser informado a ele todos os detalhes do tratamento e eliminação de seus dados e por quanto tempo eles serão armazenados.


3 – Tenha uma Política de Privacidade e Política Interna.

Estes dois documentos possuem alta relevância pois trazem informações valiosas sobre o funcionamento do seu negócio perante a lei de proteção de dados.

A Política De Privacidade tem valor jurídico e serve para informar seu cliente ou usuário do modo como o seu negócio trata diversos assuntos, incluindo o tratamento de dados. Nele, você deve deixar claro a forma de como serão coletados e manuseados os dados do consumidor, bem como a finalidade de seu uso, sempre respeitando os limites da LGPD.

Já a Política Interna tem importância relevante para empresas, pois é por meio dela que será possível orientar todos os colaboradores sobre como devem tratar os dados disponíveis no ambiente de trabalho, instruindo a utilizarem as técnicas e práticas legais, sempre respeitando as regras previstas na LGPD.

Se esse artigo te ajudou, curta e compartilhe!

E não esqueça de sempre ter um bom acompanhamento jurídico com advogados de sua confiança.


Nos siga nas redes sociais:


Linkedin: https://www.linkedin.com/company/ribeiro-lourenco-advogado/

Instagram: https://www.instagram.com/ribeirolourencoadvogados/



Artigo de autoria de Diego Alcarde.






1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo